edinho_palestra_foto-giovannaqueiroz.jpg

O chef Danilo Engel,o chef Edinho Engel e o também chef e coordenador do curso de gastronomia do IESB, Sebastian Parasole. Foto: Giovanna Queiroz (Aluna de Fotografia do IESB)

Dono dos restaurantes Manacá e Amado fechou o primeiro dia de palestra do Congresso Abrasel | Mesa ao Vivo Brasília

Dono dos restaurantes Amado (BA) e Manacá (SP), o chef Edinho Engel fechou nesta quarta-feira (15), o primeiro dia de palestras do Congresso Abrasel | Mesa ao Vivo Brasília, no Centro Universitário IESB. Com mais de 30 anos de trajetória no setor de alimentação fora do lar, Edinho se considera um empreendedor criativo, mas não um empresário propriamente dito. “Eu sou peão, só sei fazer dinheiro trabalhando. Não sei ficar em casa fazendo dinheiro virar mais dinheiro. Cuido da marca, tenho a intuição, sou o cara que sempre acha que dá pra fazer, invento o menu, mas não tenho a paciência de ficar na cozinha, só invento”, brinca.

Enquanto Edinho contava a sua trajetória profissional, seu irmão, o também chef Danilo Engel preparava um prato com ingredientes típicos do cerrado: costelinha temperada com molho cítrico e geleia de hibisco, acompanhado de farofa de baru e jurubeba.
 


Toda a experiência de Edinho foi na prática. Ele conta que na década de 1980 não havia tantos cursos de gastronomia como hoje. “O jeito mais comum de se aprender era viajando ou lendo livros em inglês e francês. E eu não tinha dinheiro pra viajar e nem sabia ler nessas línguas. As aventuras que passou para empreender, segundo ele, não cabem no cenário atual. “É preciso ter um grande gestor na operação. Não basta só a vontade e espírito de empreendedor”.

Crítica construtiva

Para o chef, a gastronomia foi democratizada até demais. “Arquitetos criaram a varanda gourmet, os carrinhos viraram food-trucks, de repente até papagaio e periquito estavam cozinhando e as pessoas deixaram de ir para bares e restaurantes. Quando você é um restaurante especial na cidade é uma coisa. Quando você é um dos vários restaurantes especiais, é outra coisa”, afirmou.

Com a crise, o dinheiro começou a falta e a mão-de-obra subiu. “A legislação também enche bastante nosso saquinho pra dizer que o ladrilho não pode ter trinca e por isso não pode liberar o alvará, daí levamos multas e não sei mais o que. Empreender virou uma situação insana, temos que simplificar mais isso”, finalizou.

Sobre o evento

O Congresso da Abrasel é o maior encontro do setor de bares e restaurante do Brasil e prossegue até o dia 16, no campus sul do IESB, em Brasília. A 30ª edição tem como tema Brasil Novo: simples para empreender. A abertura oficial do evento aconteceu na noite de terça-feira (14), no Centro de Convenções do Hotel Brasil 21. O evento é realizado pela própria Abrasel, pelo Centro Universitário IESB e pelo grupo Mundo Mesa | Prazeres da Mesa, com patrocínio da Alelo, Ambev, Cielo, Coca-Cola, Ecolab, Philip Morris Brasil, Sodexo, Souza Cruz e Ticket. Conta também com a parceria da UNECS, parceria de mídia do Correio Brazilienze e apoio da Fispal, Pitu e Senac.